CRÍTICA | FALA COMIGO
Direção
Roteiro
Elenco
Fotogorafia
2.5Pontuação geral
Avaliação do leitor: (0 Votos)

‘TABU EM RELACIONAMENTO É ABORDADO EM DRAMA NACIONAL’

Não se pode reclamar da estreia de Felipe Sholl (premiado em curta metragem, com o Teddy Awards) em longas-metragens. Com um orçamento baixíssimo, Fala Comigo foi o vencedor do troféu Redentor de melhor ficção no Festival do Rio 2016.

Sholl nos conta uma história que para muitos ainda é um tabu em nossa sociedade. Um relacionamento entre uma mulher (Karine Teles) com mais de 40 anos, e um rapaz (Tom Karabachian) de 17 para 18 anos. E Karine Teles (Que Horas Ela Volta?, O Lobo Atrás da Porta), também recebeu o troféu redentor de melhor atriz, da mostra competitiva do festival.

Karine Teles e Tom Karabachian no Festival do Rio

Na história, Diogo (Tom Karabachian) é um rapaz de classe média que tem como hábito se masturbar, enquanto liga para as pacientes de sua mãe (Denise Fraga). Com um comportamento típico de jovens da sua idade, ele conhece Ângela (Karine Teles), em uma dessas conversas por telefone. Ângela é uma mulher de mais de 40 anos, que acabou de ser abandonada pelo seu marido. Carente, ela continua atendendo as ligações de Diogo, achando que é seu marido e acreditando que ele ainda voltará.

A parte inicial do filme é construído com muito silêncio. Talvez aí se explique o relacionamento conturbado dos pais de Diogo e a criação dos filhos. Já Ângela parece ser uma pessoa muito frágil e totalmente carente sentimentalmente. Ao que parece, Ângela, quando assume o relacionamento com um rapaz que nem completou 18 anos, inverte o que acontecia com o marido, sendo agora a dona das ações no relacionamento. Diante disso, somos apresentados ao tema principal da ficção. O problema é como isso é abordado daí para frente. Não temos uma profundidade que o assunto merece, e o roteiro segue de uma forma leve até a última cena. Sendo esse tipo de relacionamento uma tabu em nossa sociedade, a abordagem do roteiro soa um tanto ingenua no final das contas.

O diretor e roteirista (Felipe Sholl tem méritos quando usa a câmera na mão e foca em cenas de Diogo e sua irmã mais nova. Todas as aparições dos dois em cena são muito bem conduzidas, com destaque para a fotografia, quando estão no telhado do prédio que moram. Infelizmente não há muito tempo para que o restante do elenco mostre realmente seu valor. Tom (Diogo), Karine (Ângela), Denise (mãe), Emílio de Mello (pai) e a irmã de Diogo são prejudicados pela superficialidade de como a história foi conduzida.

Diogo (Tom Karabachian) e sua irmã em cena

Fala Comigo é um filme nacional com dilemas de classe média como outros que vem sendo produzidos recentemente. Entretanto, o drama investe em uma questão importante e pouco discutida em nossa sociedade. Felipe Sholl tem méritos por abordar esse tabu em uma história para o cinema, porém fica devendo ao tocar no assunto superficialmente, de uma forma leve, sem a profundidade que o tema merece.

Ficha Técnica

FALA COMIGO
Distribuidor: Vitrine Filmes
Gênero: Drama
Classificação Etária:  14 anos
Data de Lançamento: 13 de Julho de 2017
Tempo de Duração: 1h 32min
Direção: Felipe Sholl
Roteiro: Felipe Sholl
Elenco: Tom Karabachian (Diogo), Karine Teles (Ângela), Clarice (Denise Fraga), Marcos (Emílio de Mello)

Sinopse: Diogo tem uma estranho fetiche: ele sente prazer ao ligar para as pacientes de sua mãe, a terapeuta Clarice. Certo dia, ele liga para Ângela, uma mulher de 43 anos que acaba de se separar do marido. Os dois iniciam uma complicada relação pelo telefone…

Comentários

comentários