CRÍTICA | SING: QUEM CANTA SEUS MALES ESPANTA
Direção
Roteiro
Dublagem
Fotografia
Trilha Sonora
4.0Pontuação geral
Avaliação do leitor: (1 Voto)

‘ANIMAÇÃO COM ÓTIMOS NÚMEROS MUSICAIS’

É sempre divertido ver animais agindo como humanos, vestindo roupas e fazendo as coisas do dia a dia. Mais ainda é ver suas características sendo exploradas, como diferenças de tamanho, trombas de elefantes e etc. E quando se pega isso e soma a uma trilha sonora de músicas pop, clássicos e originais cantadas por artistas o resultado é diversão garantida.

Sing: Quem Canta Seus Males Espanta conta a história do pequeno coala Buster Moon, dono de um teatro e produtor em crise que busca seu grande sucesso. Nasce então o show de talentos dando oportunidades para salvar o local e lança novas estrelas da música que têm que vencer suas próprias dificuldades para buscar o sonho.

É sempre divertido ver animais agindo como humanos.

Uma animação dessas normalmente conta com grandes números de músicas como “Let It Go” em Frozen, mas “Sing” traz só uma canção original e se destaca na verdade pela sua apropriação de outas já famosas. os dançando Lady Gaga, cantando Katy Perry e um pequeno rato arrasando no FranE é uma diversão certa ver porck Sinatra.  O uso dessas músicas cria uma rápida identificação e cativa rápido o público, é possível dizer que na cabeça das pessoas o filme vira quase um “sing along”.

Apesar da mensagem de enfrentar os medos em busca dos sonhos, o roteiro é bem simples, sem grandes surpresas, reviravoltas ou elementos diferenciais. Porém, o filme ganha realmente na diversão, com ótimas piadas e explora muito bem as características dos animais nas situações a que são expostos. É justo dizer que o longa se importa mais com a diversão do que com uma mensagem forte.

Animações são, em sua maioria, filmes para crianças e portanto dublados. “Infelizmente” a versão da cabine foi legendada, mas justamente colocado entre aspas porque o elenco original conta com grandes nomes e fazem jus as suas escolhas e à preferência da assessoria na versão apresentada.

“Sing” traz só uma canção original e se destaca na verdade pela sua apropriação de outas já famosas.

Matthew McConaughey (Interestelar, 2014) faz o coala Buster Moon e o elenco musical é composto por Scarlett Johansson (Os Vingadores, 2012), Reese Whiterspoon (Legalmente Loira, 201), Taron Egerton (Kingsman – Serviço Secreto, 2014), Seth McFarlane (Ted, 2012) e Nick Kroll (Adultos Inexperientes, 2014). Atores muito bem escolhidos que trazem personalidades bem distintas aos personagens com um talento musical especial de cada um. Destaque interessante é o desempenho de Seth McFarlane cantando Frank Sinatra.

Com o início das férias escolares e as crianças em casa, Sing: Quem Canta Seus Males Espanta chega como opção de uma animação com ótimos números musicais e personagens extremamente divertidos. Aliás essa é a palavra para definir o filme, não tem uma mensagem poderosa, não é brilhante e não almeja ser o que não é, mas se resume a diversão garantida paras crianças, adolescentes e adultos.

Ficha Técnica


SING – QUEM CANTA SEUS MALES ESPANTA (Sing)
Distribuidor: Universal Pictures
Gênero: Animação, Comédia, Família
Classificação Etária: Livre
Data de Lançamento:  22 de dezembro de 2016
Tempo de Duração: 1h e 48 minutos
Direção: Garth Jennings
Roteiro: Garth Jennings
Produção: Robert Taylor
Trilha Sonora: Joby Talbot
Editor dos Efeitos de Personagens: David Rodrigues

Elenco: Matthew McConaughey (Buster Moon), Reese Witherspoon (Rosita), Seth MacFarlane (Mike), Scarlett Johansson (Ash), John C. Reilly (Eddie), Taron Egerton (Johnny), Tori Kelly (Meena), Jennifer Saunders (Nana).

Sinopse:

Um empolgado coala chamado Buster decide criar uma competição de canto para aumentar os rendimentos de seu antigo teatro. A disputa movimenta o mundo animal e promove a revelação de diversos talentos da cidade, todos de olho nos 15 minutos de fama e US$ 100 mil dólares de prêmio.

Comentários

comentários