CRÍTICA | REI ARTHUR - A LENDA DA ESPADA
Direção
Roteiro
Elenco
Efeitos Especiais
Montagem
3.5Pontuação geral
Avaliação do leitor: (0 Votos)

‘PARA OS FÃS DE AÇÃO E FANTASIA, TEM TUDO PARA AGRADAR’ 

Grandes destinos são cumpridos a partir do momento em que tentamos evitá-los, ou pelo menos é o que contos mitológicos de diversas culturas buscam nos alertar. Em Rei Arthur: A Lenda da Espada, de Guy Ritchie (Snatch – Porcos e Diamantes, 2000), o usurpador Vortigern (Jude Law) usa magia negra para assassinar seu irmão Uther (Eric Bana – Troia, 2004) e assumir o trono da Grã-Bretanha, o que leva seu jovem sobrinho Arthur a um exílio forçado.

Sem lembranças de seu passado, Art (Charlie Hunnam, da série Sons of Anarchy), como agora é conhecido, cresce em um bordel, aventurando-se pelas ruas de Londonium. Vortigern, porém, teme o retorno do herdeiro de direito e inicia uma busca incansável pelo sobrinho. Arthur seria a única pessoa capaz de retirar a poderosa espada Excalibur da pedra onde está fincada desde a morte de Uther, o rei legítimo, o que o torna facilmente identificável.

Arthur carrega a vibe de super herói engraçadinho, que tem sempre uma piada à mão.

A história do lendário rei britânico já foi contada diversas vezes (e de diferentes modos) no cinema. O filme de Ritchie, no entanto, diferencia-se dos outros ao adotar um tom mais “moderninho” e repleto de efeitos especiais e sequências de ação grandiosas. É quase como se a Marvel Studios produzisse um novo longa baseado em um game da Era Medieval.

Os personagens são irônicos, de pensamento ágil, e Arthur carrega a inconfundível vibe de super herói engraçadinho, que porta uma poderosa arma mágica e tem sempre uma piada à mão. Para cumprir seu destino ele conta com a ajuda de seus amigos e companheiros de gangue (você não leu errado. Rei Arthur liderava uma gangue), além de uma resistência fiel à linhagem Pendragon, guiada por uma jovem aprendiz de Merlin (Astrid Bergès-Frisbey – Piratas do Caribe: Navegando em Águas Misteriosas, 2011). O mago, aliás, não dá as caras no longa, assim como outras figuras importantes da lenda, e é apenas mencionado. Não há nenhum grande destaque no elenco, embora Charlie Hunnam e Jude Law cumpram bem o que se espera de seus papéis como protagonista /antagonista.

Aprendiz de Merlin substitui o Mago no filme.

A montagem dinâmica, característica dos filmes de Ritchie, contribui para o ritmo acelerado do roteiro. O diálogo é rápido, e muitas vezes as sequências intercalam os personagens relatando algo ou elaborando planos com cenas do que já ocorreu ou irá ocorrer, em uma narrativa não linear. Pisque e você perde. O uso de magia em grande escala é recorrente, e embora os efeitos especiais não sejam espetaculares, dão conta do recado. Prepare-se para as criaturas gigantes, o vilão de armadura flamejante e uma Excalibur que faz seu trabalho praticamente sozinha.

Rei Arthur: A Lenda da Espada é, acima de tudo, um filme de entretenimento. Narrando a origem de um dos soberanos mais famosos da História, deixa a possibilidade de um universo compartilhado em aberto. Quem espera um épico medieval fiel à lenda pode se decepcionar, mas para os fãs de ação e fantasia, tem tudo para agradar.

Ficha Técnica

REI ARTHUR – A LENDA DA ESPADA (King Arthur – Legend Of The Sword)

Distribuidor: Warner Bros. Pictures
Gênero: Ação, Aventura, Fantasia
Classificação Etária:
Data de Lançamento:  18 de Maio de 2017 (Brasil)
Tempo de Duração: 2h e 06 minutos
Direção: Guy Ritchie
Roteiro: Joby Harold, Guy Ritchie, Lionel Wigram
Produção: Akiva Goldsman, Joby Harold, Tory Tunnell, Steve Clark-Hall, Guy Ritchie, Lionel Wigram

Elenco: Charlie Hunnam (Rei Arthur), Jude Law (Vortigern), Astrid Bergès-Frisbey (Maga), Eric Bana (Uther Pendragon), Aidan Gillen (Bill), Freddie Fox (Ed), Djimon Hounsou (Bedivere)


Sinopse: Arthur (Charlie Hunnam) é um jovem das ruas que controla os becos de Londonium e desconhece sua predestinação até o momento em que entra em contato pela primeira vez com a Excalibur. Desafiado pela espada, ele precisa tomar difíceis decisões, enfrentar seus demônios e aprender a dominar o poder que possui para conseguir, enfim, unir seu povo e partir para a luta contra o tirano Vortigern, que destruiu sua família.

Comentários

comentários