CRÍTICA | QUASE 18
Direção
Roteiro
Elenco
Fotografia
Trilha Sonora
4.3Pontuação geral
Avaliação do leitor: (2 Votos)

‘DIVERTE, EMOCIONA CRIA IDENTIFICAÇÃO COM OS PERSONAGENS’

Não é fácil ser adolescente. O período de transição entre a infância e a vida adulta é cheio de descobertas, aprendizados e, sobretudo, inseguranças. A sensação de que ninguém nos compreende e de que nossos problemas, por menores que sejam, são o anúncio de um apocalipse particular, são comuns à maioria dos jovens. São essas características que fazem de Nadine (Hailee Steinfeld), protagonista de Quase 18, uma personagem de fácil identificação.

Prestes a fazer dezoito anos de idade, Nadine vive um relacionamento difícil com a mãe, e precisa lidar com o fato de que Krista (Haley Lu Richardson), sua única amiga, namorar seu irmão, o “filho perfeito” da família. Frustrada e sem ter com quem desabafar, Nadine desenvolve uma amizade improvável com o sr. Brunner (Woody Harrelson), seu ácido professor de História, e acaba se aproximando de Erwin Kim (Hayden Szeto), o nerd da turma.

Hailee Steinfeld faz de Nadine uma protagonista interessante e empática.

Assinando o roteiro e a direção, Kelly Fremon Craig (Recém-Formada, 2009) segue a linha de comédias dramáticas como As Vantagens de Ser Invisível (2012) e Se Enlouquecer Não se Apaixone (2010), utilizando de diálogos inteligentes e humor na medida certa para retratar uma adolescente deslocada que busca seu lugar no mundo.

O cuidado da diretora com a trilha sonora, composta por Atli Örvarsson (João e Maria: Caçadores de Bruxas, 2013), compensa. Para ela, a música é fundamental no período da adolescência, e os sentimentos e a personalidade de Nadine deveriam ser transmitidos com clareza por meio dela. O resultado não poderia ser melhor.

Woody Harrelson interpreta um professor de História que funciona como um mentor.

O elenco faz juz à trama. Indicada ao Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante por seu papel em Bravura Indômita, em 2011, a jovem Hailee Steinfeld faz de Nadine uma protagonista interessante e empática, onde interpreta de maneira convincente uma adolescente com problemas comuns à maioria das pessoas dessa idade. Na pele do professor de História, Woody Harrelson (Jogos Vorazes: A Esperança – O Final, 2015) dá o tom ao personagem que funciona como uma espécie de mentor, já visto um pouco em outros papéis do ator. Apesar de todo o sarcasmo, é bem notório que há uma preocupação genuína com a garota, sendo uma boa peça dentro de toda a engrenagem do filme, enquanto Hayden Szeto (The Unbidden, 2016) trás um lado doce ao desajeitado Erwin, que funciona como válvula de escape para a protagonista e tem um importante papel ao enredo.

Hayden Szeto em seu primeiro grande trabalho, faz um nerd doce.

Em sua estreia como diretora, Kelly Fremon Craig, mostra que tem um futuro promissor no cinema. Quase 18 é um filme que apesar de ser, de fato, cheio de clichês de comédias dramáticas adolescentes, apresenta excelentes diálogos e química entre os personagens. Diverte, emociona, e acima de tudo, faz com que o espectador se identifique com os personagens. Um longa que vale a pena assistir.

Ficha Técnica


QUASE 18 (The Edge of Seventeen)
Distribuidor/Produtora: Sony Pictures
Gênero: Comédia Dramática
Classificação etária: 14 anos
Data de Lançamento:   2 de fevereiro de 2017
Tempo de Duração: 1h 48min
Direção: Kelly Fremon Craig
Roteiro: Kelly Fremon Craig
Produção: James L. Brooks, Richard Sakai, Julie Ansell, Kelly Fremon Craig
Trilha Sonora: Atli Örvarsson

Elenco: Hailee Steinfeld (Nadine), Kyra Sedgwick (Mona), Blake Jenner (Darian), Woody Harrelson (sr. Brunner), Hayden Szeto (Erwin Kim)

SINOPSE:

Nadine é uma estudante deslocada que enfrenta problemas típicos da adolescência. Quando sua única amiga começa a namorar seu irmão mais velho, ela se vê sem ninguém com quem conversar, e acaba desenvolvendo uma amizade inusitada com seu professor de História.

 

Comentários

comentários