“Jodie Foster explora os filmes de cerco”

Um ambiente fechado, um alto risco de morte, a tensão maior a cada minuto, o gerenciamento de perigo externo e interno batendo à porta dos protagonistas. Você certamente já viu algum desses filmes. O clássico Um Dia de Cão, o excelente terror O Nevoeiro, O Rei da Comédia, A Noite dos Mortos-Vivos, Cães de Aluguel, Os Oito Odiados… Histórias de clausura são cinematográficas por excelência.

Esse é o terreno que Jodie Foster explora para falar sobre a cultura yuppie, nascida nos anos 80 e consagrada em filmes como Wall Street – Poder e Cobiça de Oliver Stone, sendo novamente objeto de abordagem no recente O Lobo de Wall Street, de Martin Scorsese. Lee (George Clooney) apresenta um programa chamado Money Monster, que fala sobre eventos do dia a dia ocorridos no mundo da especulação e ações, dando dicas para aqueles que querem investir. O clima pesa quando é feito de refém por Kyle (Jack O’Conell), que invade o programa armado e carregado de explosivos querendo justiça por ações que comprou e  o fez perder toda a poupança que tinha por causa, aparentemente, de uma pane em um sistema de algoritmos.

MW-ED211_Money__ZG_20160113101710

Com 800 milhões pelo ralo e milhares de pessoas prejudicadas, Lee é tanto cúmplice quanto bonde expiatório da situação que ajudou a criar, tendo que arrumar algum meio de refrear a fúria do jovem Kyle, cuja história será escavada em rede nacional enquanto a audiência dispara e a situação progressivamente vai virando um circo.

Jodie Foster equilibra humor negro e suspense crescente na corda bamba em um filme com imagens potentes, lançando mão da alternância entre a magnitude da câmera de cinema, a urgênca das câmeras de televisão e a impessoalidade documental de câmeras de segurança, compondo um jogo de imagens bastante interessante. Talvez o principal vetor seja a intervenção de Patty Fenn (Julia Roberts), a produtora do programa, que faz a ponte entre o que está na televisão, os bastidores e a busca pela verdade, tentando buscar uma resposta para Kyle entrando em contato com a empresa responsável pelo pane e investigando a vida de seus cabeças.

df-09428_r-h_2016

O início hilário proveniente das inúmeras palhaçadas performadas por Lee com suas assistentes de palco estabelecem um tom grotesco que não demora a ser complementado pelo circo midiático. Ainda que o filme acabe se sabotando algumas vezes com algumas piadas fora de hora que não necessariamente fazem “rir de nervoso” e que a mudança do personagem de Clooney não seja a mais orgânica o possível, o que temos aqui é uma história envolvente, com um fio condutor rapidamente apresentado e que raramente se desvia de seu foco, com um final tão irônico quanto pessimista que tem muito a dizer sobre esse caligulesco universo contemporâneo de Wall Street e seus homens que brincam de Deus, negociando vidas de pessoas todos os dias. O quarto filme de Jodie mostra uma diretora madura e consciente do que faz.

money-monster-dom-DF-02580_rgb.0

 

182381.jpg-r_1280_720-f_jpg-q_x-xxyxx

JOGO DO DINHEIRO (MONEY MONSTERS – 2016)
Distribuidor/Produtora: Sony Pictures
Gênero: Suspense
Classificação Etária: 14 anos
Data de Lançamento: 26 de maio de 2016
Tempo de Duração: 1h 39 minutos
Direção: Jodie Foster
Roteiro: Jim Kouf, Alan DiFiore e Jamie Linden
Produtores: George Clooney, Grant Heslov e Kerry Orent
Trilha Sonora: Dominic Lewis
Diretor de Fotografia: Matthew Libatique
Montador chefe: Matt Chesse
Elenco: George Clooney (Lee Gates), Julia Roberts (Patty Fenn), Jack O’Connell (Kyle Budwell), Caitriona Balfe (Diane Lester), Dominic West (Walt Camby) Lenny Venito (Lenny, cameraman), Giancarlo Esposito (Capitão Marcus Powell), Emily Meade (Molly).
SINOPSE:
Lee Gates (George Clooney) é uma personalidade bombástica de TV que foi transformado no mago do dinheiro de Wall Street graças ao sucesso de seu programa financeiro. Mas depois de recomendar as ações de uma empresa de tecnologia que misteriosamente entram em colapso; um irado investidor (Jack O’Connell) toma como reféns Gates, sua equipe e sua astuta produtora Patty Fenn (Julia Roberts) durante uma transmissão ao vivo. Com os desdobramentos transmitidos em tempo real, Gates e Fenn precisam encontrar uma maneira de se manterem vivos enquanto buscam desvendar a verdade por trás de um emaranhado de mentiras e muito dinheiro.

Crítica | Jogo do Dinheiro
Roteiro
Direção
Elenco
Fotografia
Montagem
Trilha Sonora
3.7Pontuação geral
Avaliação do leitor: (1 Voto)

Comentários

comentários