Nos deixa esperando pelo próximo ataque alienígena que certamente irá demorar menos de 20 anos para acontecer

Sequência do enorme sucesso dos anos 90, “Independence Day: O Ressurgimento” tem uma premissa simples, de fácil compreensão e que funcionou perfeitamente: agradar à legião de fãs e abocanhar uma nova parcela do público, mas aqueles que torceram o nariz para o primeiro longa, já podem procurar outro filme para assistir no cinema, pois esse, dificilmente, irá lhe agradar.

Sequência estreia 20 depois

Sequência estreia 20 depois

O longa se passa 20 anos após o primeiro ataque, mas no mundo criado por Roland Emmerich (diretor e roteirista dos filmes) a tecnologia está muito mais avançada do que realmente vemos hoje. Tudo para que estivéssemos prevenidos e com chances reais de um contra-ataque aos alienígenas, mas que não foi de grande valia contra a nova invasão. Dessa vez, os aliens, suas armas e suas naves estão mais fortes, maiores e totalmente feitos em animação 3D.

Os elementos que formam a sequência e o desenvolvimento do roteiro são conhecidos e já utilizados no primeiro filme, mas desta vez temos catástrofes ainda maiores que seguem a evolução do cinema, dos efeitos especiais e de edição de som. Esses pontos certamente são os maiores acertos do filme e valem a ida ao cinema. A sessão que a tripulação da nave CineSideral participou foi na sala Xplus 3D da rede UCI e sem dúvida garantiu o aproveitamento máximo do que o filme pode oferecer e uma grande sensação de imersão nas cenas de ação e dos combates intergalácticos. E de assuntos intergalácticos a nossa tripulação conhece bem!

O filme está em salas Xplus 3D

O filme está em salas Xplus 3D

O alívio cômico foi mais um elemento mantido que funciona muito bem e de forma fluída. Interessante é perceber como Emmerich produz um longa de proporções épicas, mas que não demonstra grandes pretensões, ou seja, o filme não se leva muito a sério. Algumas situações que vemos são absurdas e parecem frutos de uma fanfic do diretor Robert Rodriguez. Parece exagero, não é mesmo? Mas imagine um líder guerreiro africano que mata alienígenas com facões ou viagens a lua que correspondem a uma ponte-aérea. Tudo que soa de forma absurda consegue se encaixar nesse “universo paralelo” que o filme se desenvolve.

Em contraponto, observa-se o intuito de atualizar a atmosfera e profundidade dos personagens e suas relações. Por incrível que pareça se percebe a inserção de questões sociais, mas tratadas com extrema naturalidade, como, empoderamento feminino, racial e relações homo afetivas. Entre as novidades, está o trio de protagonistas Maika Monroe (que já conheceu alienígenas ao atuar no filme “A 5ª Onda”), Jessie Usher (que pode ser visto como o “novo Will Smith” no filme) e Liam Hemsworth (conhecido por participar da saga “Jogos Vorazes”). As atuações são medianas, mas Liam certamente teve o desempenho mais fraco do grupo.

Liam Hemsworth é um dos protagonistas do filme

Liam Hemsworth é um dos protagonistas do filme

Em geral, a maior parte dos personagens já foi apresentada no filme de 1996 e agora vemos o desfecho – ou não – de possíveis brechas que tenham ficado. Até mesmo Steven Hiller, personagem de Will Smith que não participou do novo longa, teve seu destino contado ao espectador. Percebe-se a preocupação de usar a sequência para dar uma continuidade na história, que o público já conhecia, mas ao mesmo tempo se nota a inserção do aspecto novidade. O filme não é uma grande surpresa, mas ao mesmo tempo fica no limbo de ser “igual, mas diferente”. Essa sequência vale a ida ao cinema e quem sabe você não sai da sessão pensando “nem sempre o dois é pior que o um”.

O filme certamente cumpre muito bem o objetivo de entreter e divertir ao público, mas além disso, nos deixa esperando pelo próximo ataque alienígena que, conforme o apresentado, certamente, irá demorar muito menos que 20 anos para acontecer.

Ficha Técnica

Independence-Day-Resurgence-09Fevereiro2016INDEPENDENCE DAY – O RESSURGIMENTO
Distribuidor/Produtora:  Fox Filmes
Gênero: Ação, Aventura, Fição Científica
Classificação Etária:
Data de Lançamento: 23 de Junho de 2016
Tempo de Duração: 120 minutos
Direção: Roland Emmerich
Roteiro: Carter Blanchard, James A. Woods, Nicolas Wright, Roland Emmerich
Edição: Adam Wolfe
Fotografia: Markus Förderer
Elenco: Liam Hemsworth (Jake Morrison), Jeff Goldblum (David Levinson), Bill Pullman ( Presidente Thomas J. Whitmore), Judd Hirsch (Julius Levinson), Vivica A. Fox (Jasmine Dubrow Hiller), Brent Spiner (Dr. Brakish Okun), Charlotte Gainsbourg (Dr. Catherine Marceaux), Jessie Usher (Dylan Hiller), Maika Monroe (Patricia Whitmore), Sela Ward (Presidente Lanford), William Fichtner (General Adams).

Sinopse: 
Vinte anos após os eventos do primeiro filme, a comunidade internacional se recupera e as Nações Unidas cria a Earth Space Defense (ESD), um programa de defesa global unida, que serve como sistema de alerta precoce da Terra e da principal força de defesa usando a tecnologia recuperada de restos de as forças alienígenas, com algumas forças militares montados na lua. No entanto, os alienígenas foram capazes de enviar um sinal de socorro aos seus outros batalhões antes de sua derrota final, enquanto outros foram esconder-se em outros lugares ao redor do mundo. Os alienígenas no espaço profundo receberam o sinal e enviaram uma frota de batalha maior, ameaçando a humanidade mais uma vez.

Crítica | Independence Day: O Ressurgimento
Direção
Roteiro
Elenco
Efeitos Visuais
Edição
3.4Pontuação geral
Avaliação do leitor: (0 Votos)

Comentários

comentários