‘NOVA ERA PARA A MARVEL’

A Marvel vive um momento em seu Universo Cinematográfico, que o fechamento de um ciclo e surgimento de uma nova era já fazem parte da realidade. Atores como Robert Downey, Jr., que encarnou literalmente o Homem de Ferro, estão ficando velhos e os estúdios correm para encontrar uma saída, dar novo fôlego e ousar por um caminho talvez mais arriscado para uma transição de universos paralelos no cinema. Doutor Estranho vem justamente para dar uma nova perspectiva aos filmes com um toque místico.

Stephen Strange (Benedict Cumbervatch) é um renomado neurocirurgião, que adora desafios, ignora casos mais simples de uma Emergência de Hospital e com sua arrogância, apesar de ter um relacionamento com Christine Palmer (Rachel McAdams), não faz questão de construir amizades. No alto de toda sua soberba, Strange sofre um forte acidente de carro, fere gravemente suas mãos, perdendo seus movimentos. Gasta em vão uma fortuna procurando métodos tradicionais para restabelecer a plena funcionalidade de suas mãos e vê a última chance em um “centro medicinal” chamado Kamar-Taj, no Nepal. Strange é impactado pela Anciã (Tilda Swinton), que muda totalmente sua perspectiva sobre a realidade e tornando-o um grande mago.

Stephen Strange é o Doutor Estranho.

Stephen Strange é o Doutor Estranho.

O roteiro foi escrito a três mãos: Jon Spaihts (Prometheus, 2012), Thomas Dean Donnelly e Joshua Oppenheimer (Conan, o Bárbaro, 2011). Os três roteiristas não embalaram ainda um grande sucesso, mas a Marvel tem contratado profissionais de menos expressão, para contrabalancear o alto salário de seus atores. Apesar dessa questão, podemos ver uma boa construção inicial com um aperitivo da ação extremamente visual que veríamos no decorrer da trama e com um pulo certeiro para a construção do personagem Doutor Stephen Strange. Os roteiristas foram brilhantes em optar por não mudar a origem do personagem, seguindo fielmente à HQ. Todavia, nem tudo é magia.

O ritmo inicial é bem cadenciado, desenvolvendo a trajetória do personagem em sua busca mística no Kamar-Taj e inserindo-o de forma bem orgânica a todo cenário que envolve os mistérios de uma realidade paralela. É interessante ver alguns aspectos de uma leve mudança na maneira que Strange se relaciona com as pessoas e com o tempo. Esse último, o Doutor tem uma relação peculiar de desejo do seu controle. O enredo tem nuances que variam entre lento e acelerado, partes relevantes e irrelevantes, que podem tornar o andamento da trama um pouco cansativa, mas que pode estar relacionado ao trabalho da direção.

Efeitos Visuais que dão peso à narrativa.

Efeitos Visuais que dão peso à narrativa.

Scott Derrickson (O Exorcismo de Emily Rose, 2005) tem trabalhos mais voltados ao Terror, mas não encontramos muito desse estilo dentro da direção de Doutor Estranho. Fica a impressão que seguiu a fórmula imposta por uma produção executiva.  Poderia ser um grande trunfo uma influência do cinema terror com uma pitada de suspense dentro desse mundo místico. Seria bem interessante esses elementos em um filme Marvel e nada mais plausível que fosse na história de Strange, que não se apresenta tão estranho assim.

Derrickson criou uma figura inteligente, arrogante, soberbo, com dificuldades de relacionamento, mas também um ser com veia cômica, que o ator Benedict Cumberbatch (O Jogo da Imitação, 2014) personificou bem, mas acaba tirando um pouco a essência estranha do herói nos quadrinhos. Nesse ponto foi um erro, porque fica a impressão que assistimos o Tony Stark na versão poderes mágicos.

A Anciã (Tilda Swinton) Mordo (Chiwetel Ejiofor).

A Anciã (Tilda Swinton) Mordo (Chiwetel Ejiofor).

Outros personagens mesmo sendo reinventados para o cinema como Barão Mordo, interpretado por Chiwetel Ejiofor (12 Anos de Escravidão, 2013) e a Anciã, interpretada por Tilda Swinton (O Grande Hotel Budapeste, 2013), tiveram um bom desenvolvimento e relevância para a trama. Destaque para Swinton, que deu força em cena a personagem, lembrando um pouco de Gabriel em Constantine (2005).  

O efeitos visuais não apresentam inovação e o cinema já presenciou algo parecido em A Origem (2010), porém a maneira que Derrickson trabalhou no desenvolvimento desse novo universo foi bem favorável e essencial mais uma vez na construção e dar peso a toda narrativa. Elementos que não vimos em outros filmes dos estúdios são apresentados de forma bem fluida, mas em alguns momentos é possível perceber erros de finalização como vistos em Capitão América: Guerra Civil (2016).

Doutor Estranho é um bom filme, mas não é empolgante. O diretor foi audacioso ao colocar de imediato dois importantes vilões contra o mago, mas com fraco desenvolvimento, ficando a impressão que faltou um ponto de tensão maior à trama. Apesar desses pontos, vale a pena ir ao cinema assistir, porque cumpre um papel de transição fundamental para o que está por vir no Universo Cinematográfico Marvel e podemos vislumbrar a grande importância do Mago Supremo.

Ficha Técnica

doutor_estranho_marvel_poster

DOUTOR ESTRANHO (Doctor Strange)
Distribuidor/ Produtora: Disney / Buena Vista
Gênero: Ação, Fantasia, Aventura
Classificação Etária: Livre
Data de Lançamento: 02 de Novembro de 2016
Tempo de Duração: 1h 55min
Direção: Scott Derrickson
Roteiro: Jon Spaihts, Thomas Dean Donnelly, Joshua Oppenheimer
Produtores: Kevin Feige, Victoria Alonso, Louis D’Esposito, Stan Lee
Diretor de Fotografia: Ben Davis
Montadora: Sabrina Plisco
Trilha Sonora: Michael Giacchino

Elenco: Benedict Cumberbatch (Doutor Estranho), Chiwetel Ejiofor (Barão Mordo), Tilda Swinton (Anciã), Rachel McAdams (Christine Palmer), Mads Mikkelsen (Kaecilius), Benedict Wong (Wong)

Sinopse

Stephen Strange (Benedict Cumberbatch) leva uma vida bem sucedida como neurocirurgião. Sua vida muda completamente quando sofre um acidente de carro e fica com as mãos debilitadas. Devido a falhas da medicina tradicional, ele parte para um lugar inesperado em busca de cura e esperança, um misterioso enclave chamado Kamar-Taj, localizado em Katmandu. Lá descobre que o local não é apenas um centro medicinal, mas também a linha de frente contra forças malignas místicas que desejam destruir nossa realidade. Ele passa a treinar e adquire poderes mágicos, mas precisa decidir se vai voltar para sua vida comum ou defender o mundo.

CRÍTICA | DOUTOR ESTRANHO
Direção
Roteiro
Elenco
Efeitos Visuais
Trilha Sonora
Montagem
3.7Pontuação geral
Avaliação do leitor: (1 Voto)

Comentários

comentários