NETFLIX | FULLER HOUSE - TEMPORADA 1 (CRÍTICA)
Direção
Roteiro
Elenco
Fotografia
Montagem
Trilha Sonora
4.6Pontuação geral
Avaliação do leitor: (1 Voto)

’13 EPISÓDIOS DE UM ENREDO BEM DIVERTIDO’

Desde que entrou em nossas vidas, a Netflix só tem acertando e enchendo nossos corações de amor e pura satisfação com suas produções e reuniões  de vários outros títulos que adoramos faz tempo, conquistando ainda mais apaixonados e fãs. A última novidade é o retorno de séries que no passado fizeram o maior sucesso e hoje, voltam como nunca tivessem saído da nossa vidas.

Para quem era criança nos anos 90, provavelmente se lembra perfeitamente da série americana Full House, que no Brasil tem o nome de “Três é Demais”. Todos os dias ligávamos a televisão e assistíamos a história de Denne (Bob Saget)  e a batalha para criar suas três filhas: DJ de 10 anos (Candace Cameron Bure),  Stephani de 5 anos (Jodie Sweetin) e Michelle (Ashley e Mary Kate Olsen). Além de contar com a ajuda de seu cunhado Jesse Katsopolis (John Stamos) e de seu melhor amigo Joey Gladstone (Dave Coulier). Além da participação da melhor amiga da DJ, Kimmy Gibbler, interpretada pela atriz Andrea Barber.  A primeira fase ficou no ar durante oito anos (1987 – 1995) com um total de oito temporadas.

A série ficou no ar durante oito anos (1987 – 1995) com um total de oito temporadas.

Apesar de ter uma diferença de 29 anos, a continuação da série ainda tem muito a ver com a primeira fase, com os mesmos personagens e atores, com exceção das irmãs Olsen, que se negaram a retornar, fato registrado pelos personagens na série. O único elemento que difere é o roteiro, porque desta vez, o enredo gira em torno das meninas, e não mais dos três homens da versão original. Além do nome da série, que agora se intitula de Fuller House.

Depois de ficar viúva com três filhos pequenos, DJ precisa da ajuda da família Tanner para criar suas crianças. Apesar de contar com a participação do seu pai, do tio  Jesse e do Joey no primeiro episódio, quem fica morando com ela para ajudar, é a sua irmã Stephani Tanner e sua melhor amiga Kimmy Gibbler, que agora tem uma filha e um ex-marido com quem tem uma relação complicada e divertida.

Dessa vez, o enredo gira em torno das meninas, e não mais dos três homens da versão original

Durante 13 episódios, podemos acompanhar um enredo bem divertido, com o roteiro que em nada deixa a desejar em relação a primeira versão. Mantendo o alto nível nas piadas, nas tiradas, na sagacidade e no tom da crítica, sem perder a graça. O mesmo alto nível foi mantido pela direção, que não perdeu seu estilo e foi fiel ao original, reproduzindo cenas antológicas como a cantoria dos Flintstones reproduzida no primeiro episódio.

A trilha sonora é percebida apenas na abertura de cada episódio, com a canção original, mudando só o pano de fundo. Já nos outros episódios, é usado a música instrumental para ligar uma cena em outra. Os episódios são temáticos, com 30 minutos cada. A próxima temporada estreia no dia 09 de dezembro deste ano. Podemos esperar a mesma graça e o tom de nostalgia que domina toda a produção.

Ficha Técnica

FULLER HOUSE – TEMPORADA 1
Distribuidor/Produtora:  Netflix
Gênero: Comédia, familia
Classificação Etária:
Data de Lançamento: 26 de Fevereiro de 2016
Tempo de Duração: 390 minutos
Produtores: John Stamos
Elenco: Andrea Barber, Candace Cameron Bure, Dashiell Messitt, Elias Harger, Fox Messitt, Jodie Swettin, Michael Campion, Soni Bringas

Sinopse: 
Anos depois do desfecho da oitava temporada, D.J. Tanner (Candace Cameron-Bure) está agora vivendo em San Francisco, recém-viúva. Sua irmã mais jovem Stephanie Tanner (Jodie Sweetin), que agora tornou-se uma aspirante a música, e a sua melhor amiga Kimmy Gibbler (Andrea Barber), que tornou-se uma mãe solteira, mudam-se para a casa de D.J, com o objetivo de ajudá-la a criar o bebê recém-nascido e também os seus dois filhos mais velhos: o rebelde J.D., de 12 anos, e o neurótico Max, de 7 anos. Além disso, a filha adolescente de Kimmy, a determinada Ramona, também conviverá com a nova geração da família Tanner.

Comentários

comentários