CRÍTICA | MINHA MÃE É UMA PEÇA 2
Direção
Roteiro
Fotografia
Figurino
Trilha Sonora
3.2Pontuação geral
Avaliação do leitor: (0 Votos)

MUITO ESPAÇO PARA O ESPETÁCULO DE PAULO GUSTAVO

Paulo Gustavo se tornou a maior realização do humor brasileiro da última década. Não é para cedo dizer que o comediante se tornou o Chico Anysio de nossa geração, conseguindo mesclar crítica, personagens e esquetes na tv, no cinema e, principalmente, no teatro. Foi de lá que o monólogo Minha Mãe É Uma Peça, escrito e estrelado por ele mesmo, veio cheio de sucesso direto para o cinema em 2013 e, sem menor surpresa, ganhou uma continuação glamourosa em 2016.

Com a volta da famosa Dona Hermínia (Paulo Gustavo), descobrimos que o Hermínia Show se tornou um sucesso da emissora, mas em contrapartida, enquanto a apresentadora se mostra a maior conselheira das donas de casa do Brasil, seu lar parece desmoronar com a “loucura” das novidades trazidas por Marcelina (Mariana Xavier) e Juliano (Rodrigo Pandolfo): o filho se descobre bissexual e a filha decide seguir carreira de atriz. E agora, José?

Paulo Gustavo se tornou a maior realização do humor brasileiro da última década.

O enredo é pano de fundo para os espetáculos cotidianos da personagem principal, envolvendo muita comédia de situação e um texto afiado. O encaixe perfeito para todo o talento do humorista, que parece nunca, jamais, ter vivido em outro corpo exceto o de Dona Hermínia. Até em cenas fortes de drama, há um sentimento sincero de perda, seja por retratar (não tanto nessa segunda parte da história) a realidade do passado de Gustavo, ou por puro talento, porém sempre em harmonia com a personagem e os limites entre a maternidade comum e a cômica. Tão à vontade quanto ele, os coadjuvantes demonstram igual talento (talvez com menos brilho) e sempre em formato de família tradicional brasileira. Mesmo a participação de Patrícya Travassos como Lúcia Helena é tudo menos um corpo estranho, com a pequena exceção da namorada nova de Carlos Alberto (Herson Capri), iniciante em todos os sentidos.

A estranheza começa quando situações e, de certo modo, diversos personagens entram e saem de cena sem qualquer propósito ou relevância na história central. Seja na linha emocional conduzida por Tia Zélia (Suely Franco), no drama com os filhos ou em se tratando da carreira profissional de Dona Hermínia. É muito palco para pouco lanço ligando o que merecia ou não ser visto. Houve um investimento fortíssimo de diversas produtoras no filme, a esperança é de recorde total nas bilheterias de fim de ano e, ainda dentro desse cenário, faltou cuidado com as pontas soltas (como em todas as cenas que envolviam o neto Pedrinho), falha grave em um roteiro com tanto potencial.

novidades trazidas por Marcelina (Mariana Xavier) e Juliano (Rodrigo Pandolfo).

Dentro da fotografia típica de filmes brasileiros de comédia enlatada, o formato segue intacto, bem saturado e com o acréscimo de um efeito vinheta e falso desfoque que podem incomodar e difundir da intenção dramática ou sarcástica da cena. Atrapalha inclusive, porém em menor escala, o figurino correto, em especial a ideia de mãe conversadora oldschool, e a maquiagem excelente que torna um careca em uma mulher de madeixas incríveis para ser a porta-voz da solução de problemas das manhãs.

Ao tocar em tantas questões, uma escapulida preconceituosa se torna necessária, conectando-se com um público muito amplo – todos adoram Paulo Gustavo – e deixando que a tal escapulida se torne aceitação por si só. O momento é de relaxar na poltrona do sofá ou do cinema com toda família, morrer de rir, comer muita pipoca e comentar as semelhanças entre Dona Hermínia de Minha Mãe É Uma Peça 2 e nossas mães do outro lado da tela. Afinal, família que não fala mal dela mesma tem algum problema.

Ficha Técnica

MINHA MÃE É UMA PEÇA 2
Distribuidor: Downtown Filmes
Gênero: Comédia
Classificação Etária:
Data de Lançamento:  22 de dezembro de 2016
Tempo de Duração: 1h e 32 minutos
Direção: César Rodrigues
Roteiro: Fil Braz, Paulo Gustavo
Produção: Iafa Britz, Camila Medina, José Alvarenga Jr.
Diretor de Fotografia: João Pádua
Figurinista: Reka Koves

Elenco: Paulo Gustavo (Dona Hermínia), Rodrigo Pandolfo (Juliano), Mariana Xavier (Marcelina), Patricya Travassos (Lúcia Helena), Alexandra Richter (Iesa), Herson Capri (Carlos Alberto), Samantha Schmütz (Waldéia), Suely Franco (Tia Zélia).

Sinopse:

Dona Hermínia (Paulo Gustavo) está de volta, desta vez rica, pois passou a apresentar um bem-sucedido programa de TV. Porém, a personagem superprotetora vai ter que lidar com o ninho vazio, afinal Juliano (Rodrigo Pandolfo) e Marcelina (Mariana Xavier) resolvem criar asas e sair de casa. Para balancear, Garib (Bruno Bebianno), o primogênito, chega com o neto. E ela também vai receber uma longa visitinha da irmã Lucia Helena (Patricya Travassos), a ovelha negra da família, que mora há anos em Nova York.

 

Comentários

comentários