‘VISCERAL E EXPERIMENTAL’

Viver em sofrimento e angústia podem dar o significado à morte. Não a uma morte física, mas uma morte subjetiva, onde encontramos a falência da dignidade, da alma e do espírito. “A Delirante História de um Homem Morto” trabalha justamente com esse sentimento, onde presenciamos um jovem sobrevivendo a uma delirante morte diária.

Daniel Gravelli assina o roteiro e direção dessa obra que nos apresenta a vida de Samuel, um jovem com 20 anos recém completados, que é vítima da própria mãe, Elis, que criou seu filho isolado em um quarto, privando-o de contato com o mundo real e subjugado as suas vontades.

Os protagonistas são os atores Helga Nemeczyk e Paulo Olivera que interpretam mãe e filho. Paulo Olivera dá vida a Samuel, um personagem que causa claustrofobia aos mais sensíveis, mas em contraponto apresenta um ato singular de força e violência abrupta. Válido ressaltar que o diretor Daniel Gravelli e o ator já marcam uma parceria de longa data e a afinidade certamente contribuiu para o sucesso do curta.

Wallaroo - A delirante historia de um homem morto - Still-43

Paulo Olivera apresenta um ato singular de força e violência abrupta

Já Helga Nemeczyk, que é conhecida pelo público pela sua participação em humorísticos, surpreende com sua atuação banhada em drama e tensão. Elis é uma mãe alcoólatra que embasa sua vida em crenças religiosas. O desempenho da atriz é responsável pelo desdobramento psicológico do filme e sua personagem pode, facilmente, ser interpretada como a personificação de “Psicose” (clássico de Hitchcock dos anos 60).

Por falar em “Psicose”, o diretor disse que a Fotografia de “A Delirante História de um Homem Morto” foi inspirada no filme cult e esse aspecto técnico realmente impressiona pela grande qualidade e diferenciação de obras mais convencionais. De forma geral, todos os pontos da produção se encaixam perfeitamente, tais como, sonoplastia, cenografia e trilha sonora.

Wallaroo - A delirante historia de um homem morto - Still-74

Helga Nemeczyk surpreende com sua atuação banhada em drama e tensão

O curta pode ser interpretado como uma grande metáfora que representa todas as repressões presentes na vida. Partindo das censuras veladas que recebemos diariamente e chegando a grandes privações, como, cárcere privado ou pensamentos e atitudes tolhidas por dogmas ou imposição da vontade alheia. Entretanto, essa é apenas uma das variadas interpretações e associações que a obra resulta e, certamente, é essa pluralidade dos pontos de vista que garantem o adjetivo “genial” à produção.

Uma obra com tanta profundidade satisfaz o espectador, mas o deixa curioso para descobrir mais sobre os personagens apresentados e nos deixa na vontade do curta-metragem ser produzido em forma de longa. Quem sabe assim as agonias apresentadas são levadas ao extremo imergindo o público nessa conturbada convivência entre mãe e filho, não é mesmo?

O curta certamente agrada aqueles que apreciam a ampliação do cinema nacional, pois foi produzido de forma independente e seu resultado é uma obra totalmente visceral e experimental, provando que o cinema nacional é muito mais que comédia e propondo a desconstrução de conceitos e comportamentos, mesmo que inconscientemente, solidificados pela ignorância.

Ficha Técnica

cartaz-DeliranteA DELIRANTE HISTÓRIA DE UM HOMEM MORTO
Roteiro e direção:Daniel Gravelli
Realização: Wallaroo Corp
em parceria com: Manjubinha Filmes, Crop Box, Shoot Gun e UZ8 Produções
Produção:Daniel Gravelli, Aimée Borges, Paulo Olivera e Rodrigo Zingano
Produção Associada:Ian Konder, Yuri Izar, Cléverson Soares e Juliana Faddoul
Coordenador de produção:Juliana Faddoul
Assistente de produção:Isabela Villaça e Tales Abreu
Assistente de direção:Ian Konder
Direção de arte: Paulo Olivera
Assistentes:Tiago Gandra e Marcos Vinícius
Figurino:Helida Serimarco
Assistente de figurino:Jorge Filho
Maquiagem e Cabelo:Graciane Vazquez
Assistente de maquiagem:Gleicy Favacho
Direção de fotografia:Fernando Pereira
Steadicam: Fernando Pereira
Assistente de Câmera:Warley Venâncio
Claquete: Fernando Ícaro
Still: Warley Venâncio
Drone: Guilherme Alexandrowitch
Som direto: Guilherme Alexandrowitch
Making of: Rafael Villalba
Fotografo de set: Aimée Borges, Liah Mattos
Arte e design: Warley Venâncio
Edição e finalização: Rafael Villalba

Elenco:
Paulo Olivera, Helga Nemeczyk, César Castro, Yuri Izar e Kalani Serimarco Carvalho.

Sinopse:

A delirante história de um homem morto” é um drama escrito e dirigido por Daniel Gravelli e retrata a vida do perturbado Samuel e o Claustrofóbico convívio com sua mãe, Elis, uma ex-alcoólatra e fanática religiosa que pensa que a melhor maneira de criar o filho é distanciando-o da realidade do mundo. 20 anos se passam em meio a essa intransigência e o sofrimento é cada vez mais profundo, levando a um desgastante e subversivo final.

CRÍTICA | A DELIRANTE HISTÓRIA DE UM HOMEM MORTO
Direção
Roteiro
Elenco
Montagem
Fotografia
4.3Pontuação geral
Avaliação do leitor: (1 Voto)

Comentários

comentários